Archive | agosto, 2013

Melisende, a Rainha de Jerusalém

15 ago

Oi Pessoal! Tudo bem?
Semana retrasada passada eu estava procurando o que traduzir para vocês (tentando sair um pouco da vibe nipônica) quando topei com uma rainha de Jerusalem chamada Melisandre Melisende:

via wikipedia

Ela se chama Melisandre Melisende e foi Rainha de Jerusalém de 1131 a 1153 d.C.; filha do monarca do Reino Franco de Jerusalém e sua esposa armena, ela  foi um personagem importante na história feminina e de Jerusalém. Durante seu reinado, os cruzados cristão haviam arrancado Jerusalem das mãos dos mulçumanos em 1099 (Segunda Cruzada).

Curiosamente eu a achei particularmente parecida com a sacerdotisa vermelha de Game of Thrones.

né?

Melisende começou seu reinado em conjunto com o pai no fim da vida deste. Em 1129 ela se casou com Fulque V d’Anjou. Em 1131, eles se tornaram governantes conjuntos de Jerusalém, apesar de Fulque excluir Melisende e efetivamente ignorá-la. Em meados da década de 1130 isto mudou. Rumores de que Melisende teve um caso com o maio rival de Fulque, o rebelde Hugo II. Fulque decidiu acreditar nos rumores e provocou uma guerra contra Melisende e seus seguidores. Contudo, as forças da rainha prevaleceram, e sua sorte mudou. Ela insistiu em fortes termos de paz, que incluíam sua admissão no conselho do reino. Ela ainda obteve liberdade para promover a arte e fundar uma grande abadia. Portanto, escreveu o historiador Willian de Tyre, Fulque “nunca começava nada, nem os pequenos assuntos, sem o conhecimento dela”.

Casamento de Melisende com Fulque V de Anjou , via Wikipedia

Após a morte de Fulque, Melisende se tornou regente por seu filho de 13 anos, Balduíno.

Durante esse tempo, no entanto, ela obteve o gosto real do poder e ficou determinada a se agarrar a ele. 1145 foi o ano em que Balduíno celebraria a sua maioridade. Melisende ignorou a data, retirando o filho de todo lugar de influência, omitindo seu nome de atos públicos. Balduíno aguentou as ações da mãe até 1152. Reclamando à Alta Corte do reino que sua mãe não o deixava governar, ele exigiu que o reino fosse dividido entre mãe e filho. E foi o que aconteceu. Melisende governou a Judaea e Samaria e Balduíno o norte.

Selo de Balduíno III de Jerusalém, via Wikipedia

A divisão não durou muito. Enquanto os apoiadores de Melisende exigiram dos Francos que levassem em conta sua administração eficiente e habilidade para governar, era Balduíno quem possuía o direito de governar. Este motivo por si só foi o suficiente para ganhar apoio a sua causa. Após uma breve campanha militar contra sua mãe, ele conseguiu superar o exército desta. Sua última resistência foi nos confins da Torre de David em Jerusalém.

Apesar dos desentendimentos anteriores, mãe e filho se reconciliaram, e ela permaneceu como uma de seus principais conselheiros até a morte.

Túmulo de Melisende, ao lado do suposto túmulo da Virgem Maria no Santuário de Nossa Senhora de Josafat, Vale do Cédron, Jerusalém, via Wikipedia

Essas rivalidades acabaram por trazer grande prejuízo do Reino Cruzado de Jerusalém.  Os muçulmanos tomaram grandes porções do território cruzado durante o período tumultuado do reinado de Melisende. Como resultado, Jerusalém nunca mais deixou uma mulher reinar novamente bando de recalcados. Quando em 1186 uma mulher realmente herdou a coroa, seu marido foi efetivamente elevado a governante em seu lugar.

Claro, as rivalidades entre Melisende, seu marido e filho não foram as únicas razões pelas quais os cristãos tiveram problemas em segurar Jerusalém. Seus próprios arquivos podem revelar outras fraqueza dentro e fora do Reino.

Texto original: Women in History
Algumas informações eu acabei pegando da Wikipedia, por estarem um pouco confusas no texto

P.s.: os riscos são comentários cretinos meus, não julguem minha tradução por conta deles!